quarta-feira, 12 de abril de 2017

Falta de limites na Educação Familiar gera Indisciplina Escolar



             O tema indisciplina e a falta de limites são assuntos recorrentes na atualidade sendo uma temática bastante discutida entre pais responsáveis e educadores. Tal problemática ultrapassa o âmbito familiar e escolar, sendo explorados de forma sensacionalista pela mídia; os questionamentos são vários: será a falta de limites, indisciplina, hiperatividade ou apenas uma fase?


          Seja qual for o foco em questão ele nos remetem a refletir sobre o papel da família e da escola na formação da personalidade das crianças. Construir e resgatar princípios são desafios para pais, responsáveis, e a escola. Na busca de soluções, pais recorrem à escola que por sua vez, repassa à responsabilidade a família. Afinal de quem é o compromisso de impor limites a criança?


         Sobre esse aspecto (TAILLE, 2003) relata que para vivermos em grupo as restrições, limites, fronteiras, as normas são fundamentais para a boa convivência, o bem-estar social e o progresso da humanidade. Na sociedade existem limites normativos, que todo individuo deve seguir, são os que nos levam à dimensão do proibido. Já os físicos estão relacionados à dimensão do impossível, pois eles nos permitem ouvir música alta de madrugada, porém a lei dos homens proíbe. Neste caso a liberdade fica limitada em nome dos valores, pois as leis físicas permitem fazer; mas os normativos não. O que torna mais difíceis de serem cumpridos, porque são colocadas pela sociedade em prol de uma boa convivência. (TAILLE, 1996).


         Tanto os limites normativos quantos os limites físicos estão inseridos nos limites restritivos, que colocam a dimensão do que não é possível de ser realizado. São os NÃO, tão conhecidos que devem ser respeitados e não devem ser desobedecidos, quando estes são fundamentais se ditos para educar e direcionar o indivíduo a fazer algo pensando no bem-estar do próprio e dos membros que fazem parte da sociedade que está inserido. Em outras palavras, se nos deparamos com uma criança em situação de perigo frente a uma tomada, ou querendo pular de uma altura que oferece risco nosso impulso imediato será de impedi-lo: “Não faça”, “Não pode”.


            Faz parte da educação de uma criança, do processo civilizador do ser uma vez que ele convive com outras pessoas, dentro de um grupo social, a aplicação de limites. Atualmente vemos a ausência de limites nas crianças e adolescentes. É clara a falta de respeito ao próximo, no conviver em sociedade, e transgressão a todo tipo de regras, inclusive as mais simples. Desde ceder um lugar para um idoso, respeitar a ordem de chegada em uma fila entre outras. (TAILLE, 2003).



1. LIMITES



            De acordo com o dicionário Aurélio vejamos alguns conceitos de limites: linha de demarcação; raia; linha real ou imaginária que separa dois terrenos, divisa, fronteira, momento, data, ponto que não se deve ou não se pode ultrapassar. Já na área de educação, o conceito de limites está interligado às situações sociais, políticas e econômicas do país, podendo sofrer alterações já que esses fatores sociais se encontram em constantes mudanças. Taille (1996, p.7) entende que:


“Limite” é uma palavra que tem voltado à tona ultimamente. É empregada com freqüência de forma queixosa: “Essas crianças não tem limites!”, ou então, com um quê de autoritarismo “É preciso impor limites!” ou ainda como critica a família do vizinho ou dos alunos; “Esses pais não colocam limites!”. A obediência, o respeito, a disciplina, a retidão moral, a cidadania, enfim, tudo parece estar associado a essa metáfora. 

           Toda criança precisa desde cedo de pais coerentes e conscientes no que diz respeito a educar. A criança deve aprender logo cedo a ouvir o não e receber limites. Mas para isso é necessário que os pais estejam de acordo, que um não desautorize o limite cobrado pelo outro. Para Asha Phillips (1999) “pais que se recusam a dizer não nos momentos apropriados estão roubando de seus filhos à capacidade de exercitar suas emoções”. Por mais difícil que seja quem ama educa frase que é titulo de um dos livros de Tiba, o autor defende que essa geração é de “príncipes” e “princesas”, “com muito mais direitos do que deveres, mais liberdade que responsabilidade, mais receber que dar ou retribuir. Tais comportamentos refletem nos meios sociais, acostumados a serem tratados desta forma em suas casas; as crianças e adolescentes, também querem se tornar “príncipes sociais” extrapolando assim, o âmbito familiar, tornando os demais meios sociais tumultuados, agitados e desorganizados com sua indisciplina. Nós educadores não podemos nos omitir com a perda de limites, a bagunça se estabelece na sala de aula e desse modo o desequilíbrio se instala, deixando o professor desconcertado. As regras devem ser sempre claras e justas, respeitando as características próprias de cada um, estando explícitas naturalmente, sendo reconhecidas tanto por quem têm a função de estabelecer como pelos que devem cumpri-las. Porém os pais também devem concordar e aceitar as regras exigidas pela escola:

             A educação ativa formal é dada pela escola. Porém, a educação global é feita a oito mãos: pela escola, pais e pelo próprio adolescente. Se a escola exige o cumprimento de regras, mas o aluno indisciplinado tem o apoio dos pais, acaba funcionando como um casal que não chega a um acordo quanto à educação da criança. O filho vai tirar o lucro da discordância pais/escola da mesma forma que se aproveita das divergências entre o pai e a mãe. (TIBA, 1996, p. 140)


            O limite e a organização da rotina são essenciais na formação da criança. Segundo   Lobo (1997, p. 524) “os limites são de importância fundamental na educação, porque eles influem diretamente no desenvolvimento da personalidade, estabelecendo o comportamento das crianças e facilitando sua socialização”.


            Cabe aos pais darem inicio ao processo de socialização ensinado a criança a falar, a andar, a respeitar o outro entre outras coisas, mas, nada disso terá sentido se a socialização não se der de forma coletiva mesmo no âmbito familiar, pois a criança precisa aprender a respeitar seus familiares, utilizar a fala na relação com o outro e moldar seu comportamento diante das expectativas e também devem ser respeitada. Comumente presenciamos cenas em que a criança bate, chuta, grita e empurrar os pais, entre outras atitudes para conseguir ou contestar algo, porém tais procedimentos não devem ser permitidos, pois sabemos que as experiências vividas com seus familiares servirão de modelo quando a mesma for conviver em outros ambientes sociais. Entretanto também há no núcleo familiar desrespeitos a individualidade e direitos da criança, por isso a socialização deve ser coletiva gerando um ambiente harmonioso e civilizador em que haja respeito recíproco.


 

2. A FAMÍLIA E SUA RELAÇÃO COM A AUTORIDADE E O AUTORITARISMO



          Retornando as situações que foram observadas e citadas no inicio do trabalho sobre a fala de pais em relação aos comportamentos inadequados de seus filhos como: “Eu não sei mais o que fazer”, críticas a postura do educador: “Tenha mais pulso, pode colocar de castigo” e ameaças físicas ou verbais percebem-se em tais procedimentos demonstrações de autoritarismo como forma de estabelecer sua autoridade.


Tiba (1996, p 13) explica:

Autoridade é algo natural que deve existir sem descargas de adrenalina, seja para se impor ou se submeter, pois é reconhecida espontaneamente por ambas as partes. Assim, o relacionamento se desenvolve sem atropelos. O autoritarismo, ao contrário, é uma imposição que não respeita as características alheias, provocando submissão e mal-estar, tanto na adrenalina do que impõe, quanto na depressão do que se submete


         Em nosso cotidiano presenciamos atitudes e até agimos de forma autoritária para conseguirmos que as crianças se comportem e sejam disciplinadas, chegando ao ponto de nos exceder, usando palavras e gestos grosseiros, até violentos; uma maneira equivocada de exercer a nossa autoridade, como Tiba (1996) afirma, o autoritarismo é o contrário da autoridade, pois, ela deve dar-se de forma espontânea como um entendimento de ambas as partes, demonstrando respeito daquele que impõem e do que é submetido. Assim as relações interpessoais devem ter como base, além do respeito, à confiança e o amor, considerando as diferenças e as características pessoais de cada um, valorizando a auto-estima do outro. Ele continua (1996, p. 13): “filhos precisam de pais para serem educados; alunos, de professores para serem ensinados. Estes até podem ser amigos, porém não mais amigos do que pais; não mais amigos do que professores”.


3. DISCIPLINA E FATORES DE INTERFERÊNCIA.


          Partindo dos pressupostos já abordados, analisaremos os conceitos de disciplina e indisciplina. Vejamos as definições do Dicionário Aurélio sobre Disciplina: Regime de ordem imposta ou livremente consentida; Ordem que convém ao funcionamento regular duma organização (militar, escolar, etc.); Relações de subordinação do aluno ao mestre ou ao instrutor; Observância de preceitos ou normas; Submissão a um regulamento. Já indisciplina é um procedimento, ato ou dito contrário à disciplina; desobediência; desordem; rebelião.


            A disciplina é fundamental à educação e deve dar-se de forma tranqüila e saudável, pois quem educar não pode se negar a corrigir comportamentos inadequados, devendo apontar os limites essenciais para levar as crianças e os jovens a se desenvolverem bem, conduzindo-os assim a situa-se no mundo de forma equilibrada. Içami Tiba (1996, p. 145) define disciplina como: “o conjunto de regras éticas para se atingir um objetivo. A ética é entendida, aqui, como o critério qualitativo do comportamento humano envolvendo e preservando o respeito ao bem estar biopsicossocial”. O autor aponta como causas da indisciplina na escola as características pessoais do aluno (distúrbios psiquiátricos, neurológicos, deficiência mental, distúrbios de personalidade, neuróticos), características relacionais (distúrbios entre os próprios colegas, distorções de auto-estima) e os desmandos de professores. Para o autor (1996, p. 99), “a disciplina escolar é um conjunto de regras que devem ser obedecidas para o êxito do aprendizado escolar”. Sendo assim é vista como uma qualidade de relacionamento humano entre o corpo docente e os alunos em uma sala de aula, portanto, na escola.


          Deste modo como em qualquer relacionamento humano, é necessário levar em conta as características de cada parte envolvida: aluno, professor e o ambiente.


          Da parte do aluno, o autor coloca que este é a peça chave para a disciplina e o sucesso de aprendizado, pois a maior dificuldade que ele encontra, está situada na falta de motivação que o leve a estudar. O autor diz ainda que o sistema de primeiro e segundo grau é um sistema aprovativo, onde o aluno somente deseja "passar de ano", cabendo ao professor procurar maneiras para despertar sua curiosidade e a vontade de aprender.


         Agora partindo dos preceitos citados entorno das características pessoais dos alunos e relacionais, voltaremos nossos olhares para o comportamento daqueles alunos mencionados no inicio que se demonstram apáticos ou agitados, não conseguindo se concentrar para realizar as atividades.


         Em nosso estágio também nos deparamos com esse tipo de aluno, juntamente com a professora regente fomos tendo um olhar diferenciado e registrando seus comportamentos, elaborando assim, uma ficha descritiva. Depois os pais foram chamados a escola e colhemos mais informações, a fim de ter um respaldo maior. Os relatórios foram repassados para psicopedagoga que direcionou os pais a levarem seus filhos ao clinico para ser feita uma avaliação diagnóstica de forma responsável. Pois notamos atualmente certo modismo preocupante, em que educadores e pais fazem diagnóstico sem nenhum fundamento, relacionando à falta de disciplina como sendo causado por um TDAH.


         É comum ouvirmos a frase: “esse menino é hiperativo”, utilizada para justificar comportamentos fora dos padrões estabelecidos ou esperados pelo meio social onde estão inseridos, sendo uma desculpa leviana para encobrir o despreparo do professor e dos pais de estabelecer sua autoridade. Pais e professores não podem diagnosticar tal problema sem uma investigação profissional, apenas um neurologista juntamente com avaliações de outros profissionais da área da psicologia pode chegar a essa conclusão diagnostica. Crianças com TDAH e outras disfunções psíquicas devem passar por um tratamento sério e longo, segundo a ABDA (Associação Brasileira de Déficit de Atenção), o TDAH é um transtorno de desenvolvimento do autocontrole que consiste em problemas com os períodos de atenção, os controles de impulso e nível de atividade. Não há comprovação cientifica, mas pode ser causada por um desequilíbrio das substâncias químicas do cérebro, ou neurotransmissores reguladores da conduta de forma genética. De modo que esse desequilíbrio bioquímico impede focar a atenção numa determinada atividade.


           São vários os distúrbios comportamentais e cognitivos com sintomas semelhantes ao TDAH. Antes de rotular, devemos saber como agir, identificar e encaminhar os pais, e só depois da avaliação profissional é que vamos saber como lidar com crianças excessivamente desconcentradas e agitadas.


        Usando o nosso estágio como um laboratório para esse trabalho, procuramos a coordenadora pedagógica da Instituição para tomar conhecimento das análises das crianças que foram encaminhadas para a avaliação clinica e, das três, apenas uma foi diagnosticada como sendo hiperativa com tratamento medicamentoso, a outra estava tendo problemas familiares, pois os pais além de separados, a mãe estava morando em outro país e o pai em outro estado e a criança estava sobre o cuidado da avó. Temos aí nitidamente uma carência afetiva. A terceira apesar da resistência da mãe em assumir o motivo do seu comportamento agressivo, a psicopedagoga chegou à conclusão que era a falta de limites, pois esta questão não foi bem trabalhada na sua educação familiar. Ao presenciar cenas de violência verbal e física entre os pais, a mãe como forma de compensar a carência afetiva do filho, fazia todas suas vontades e ficava do seu lado, mesmo quando ele agredia os colegas, chegando ao ponto de trocá-lo de turno. Contudo foram detectados outros casos também nas demais salas da escola, tanto de TDAH como de distúrbios comportamentais e cognitivos.


          Da parte do professor, o autor coloca como sendo importante a consciência que este deve ter de ensinar bem, sua postura e didática. De acordo com ele “o professor é essencial para a socialização comunitária”. Tem basicamente quatro funções: professor propriamente dito, coordenador de grupo de alunos, membro do corpo docente e empregado de uma instituição. Se faltar didática, postura, autoridade, domínio e tolerância ao professor, ele também contribui para a indisciplina na sala de aula. Partindo desses preceitos Tiba (1996 p. 111) cita que:


Ser professor não significa estar sempre certo, não ter problemas psicológicos, ser sempre vítima dos alunos ou estar inocente em todas as situações ocorridas nas classes. Como qualquer outro ser humano, ele está sujeito à psicologia e psicopatologia humana, isto é, a apresentar também distúrbios psiquiátricos, psicológicos, orgânicos, sociais etc.

 

           É notório que havendo desmando por parte do professor, quando faz uso de sua autoridade, a fim de conseguir benefícios pessoais, posicionando-se como o detentor do saber e desmerecendo os conhecimentos dos alunos, isso gera um mal-estar, tornando a aula inviável e não interessante. Tal postura permite que a indisciplina instale-se na sala de aula.


           Paulo Freire (1985. p. 19), coloca que a disciplina implica em uma relação entre o professor e o aluno, em que a autoridade esta situada na liberdade sadia de ambos. Entretanto a disciplina é uma tensão permanente, pois a autoridade e a liberdade que existem em seu interior são o que determinam o equilíbrio que a mesma possui, portanto, o autor destaca que, a disciplina é uma "relação radicalmente democrática na qual, porém, jamais o educador será igual ao educando, uma vez que eles possuem diferenças".


           Como último fator de interferência na disciplina existe a questão do ambiente, causando problemas da seguinte forma: salas de aulas numerosas e sem ventilação, barulhentas, onde se comunicar é impossível, etc. Elementos estes, que contribuem também para o não cumprimento as regras estabelecidas.


            Existem outros fatores em nosso estudo que foram observados na prática do estágio e que o autor também destaca: Instituições que vê o aluno como cliente sempre lhe dando razão, independente do fato do mesmo está certo ou não; greves e carência de professores nas escolas públicas, idades cronológicas semelhantes e desenvolvimentos emocionais não semelhantes; dinâmicas familiares distintas; valores pessoais; alunos transferidos de outras escolas; alunos que não sentem simpatia pelo professor fazendo de tudo para prejudicá-lo, etc.


            Percebemos através desse estudo que os assuntos ligados a falta de limite no ambiente familiar e sua interferência na disciplina escolar, além do papel do professor, são temas complexos, pois a disciplina pode variar de acordo com as condições específicas a que ela se encontra.


           Somente somos levados a concluir que a falta de limites e a disciplina são atos complementares, isto é, estão amarradas a como se dar as características das relações humanas entre pais e filhos, professor e aluno e escola e família. Assim vimos então à vastidão de opiniões e fatores do qual o tema está envolvido.


            Este tipo de constatação nos leva a perceber que a família desempenha um papel de suma importância na formação da personalidade da criança, pois é nela que a criança assimila valores que permanecem por toda a sua vida sendo a base para uma boa educação. Conseqüentemente, os pais são os modelos básicos para as crianças e dão segurança a elas, ou seja, as crianças sabem que podem contar com eles. Isso pode diminuir o risco de serem crianças indisciplinadas nos ambientes sociais, ficando claro para nós que em todos os grupos sociais haverá problemas de indisciplinas, contudo, esta questão pode ser amenizada caso sejam reavaliadas as formas de como melhorar as relações afetivas e de autoridade entre as crianças. Pais, professores e os demais grupos sociais, encarando apenas essas questões não só como sendo de ordem comportamental, mas também um problema de estrutura social que afeta as relações.


            É através do melhoramento da estrutura familiar, da forma de educar os filhos, além do contexto social, da qualificação do professor e dos funcionários da escola, que se poderão encontrar estratégias para ajuda as crianças e adolescentes a superarem suas reações de agressividade e defensivas frente às varias situações do dia a dia.

 

4. EDUCADOR, ESCOLA E SOCIEDADE FRENTE À INDISCIPLINA E POSSÍVEIS MELHORIAS



           Alguns educadores e escolas também terminam contribuindo quando passam a ver o aluno como cliente, e deixam de agir de forma mais enérgica por medo de desagradar pais e alunos, o que favorece que os mesmos tenham mais domínio em sala do que seus educadores.


           O especialista em psicologia do Desenvolvimento Moral Yves De La Taille, diz que nenhum comportamento é obtido aleatoriamente: “As crianças e os jovens são reflexo da sociedade em que vivem e não uma tribo de alienígenas misteriosamente desembarcadas em nosso mundo, com costumes bárbaros adquiridos não se sabe de onde”. Segundo ele nossa sociedade precisa de limites, regras e ordem para as condutas de nossos jovens e crianças. Mas onde a nossa sociedade, pais e professores se perderam nesse processo?


          Tiba (1999, p. 12) nos esclarece que a nossa geração viveu as questões ligadas à disciplina de forma oprimida e sofrida. A geração de nossos pais educou numa autoridade vertical, de maneira patriarcal, onde os filhos eram obrigados a cumprir tudo que eles ditavam sem direito a questionarem mesmo sem aceitar. Com isso a nossa geração decidiu modificar tal maneira de impor limites aos filhos, que contribuiu para desvalorização dos valores da primeira passando a ser tolerante aos atos de indisciplina e não aceitação das regras de forma passiva frente aos comportamentos inadequados de seus filhos, por exagero de ter medo de causar traumas, caso se colocasse mais enérgicos em sua educação.


          Algumas correntes difundidas pela psicologia também conduziram a nossa geração a adotar tal postura, divulgando esclarecimentos sobre como a educação muito repressiva pode frustrar as crianças e causar tais traumas. “Frases como: “Não reprima seu filho”, “sejam mais amigos de seus filhos” ou “Dê mais liberdade a seus filhos”, desencadeando assim, a postura de um modelo horizontal de educar, em que os pais e filhos têm os mesmos direitos.


           Nessa perspectiva podemos afirmar que, as rápidas mudanças da sociedade geraram desníveis comportamentais nessa geração e nas seguintes, com um custo na educação que ainda não podemos definir. Ao confundir a autoridade com autoritarismo foi criada, como define Tiba, uma geração de “Príncipes” e “Princesas”.


           Entretanto outra condição a ser pensada é a carência afetiva de algumas crianças, seja por falta da presença dos pais em suas vidas ou por conta do corre-corre dos dias atuais. Em virtude da cobrança do compromisso profissional, pais terminam deixando em segundo plano a educação de seus filhos, colocando sobre cuidados de babás, creches, e escolas particulares ou públicas, responsabilizando-as a educá-las, permitindo dessa forma que a individualidade também chegasse ao núcleo familiar, superando os interesses coletivos. Como já falamos, criamos um sentimento de culpa para compensar tal falta de tempo, passando a sermos permissíveis em demasia. Em provérbio diz: ensina seu filho o caminho em que deve andar e ele nunca desviará dele.



4.1 POSSÍVEIS MELHORIAS

 

            Em suma podemos ressaltar que a família é o ponto preponderante em relação às primeiras transmissões de regras que servirão de alicerce na vida da criança, assim ela precisa ser educada com amor e respeito, mas, as regras e normas de convivência devem ser cobradas desde cedo de forma clara e justa por quem as educa no núcleo familiar sem autoritarismo. Ao passar a conviver em outros meios sociais, essas cobranças devem dar-se da mesma forma, no caso da escola é necessário também obter informações preliminares sobre sua vida, como forma de identificar problemas pré-existentes e como medida de prevenção.


           O educador como parte integrante da escola deve trabalhar zelando pelo respeito e autonomia do estudante evitando qualquer visão preconceituosa por parte de qualquer membro da instituição. E estabelecendo sua autoridade de forma afetiva, buscando despertar no aluno interesse pelo saber, através de aulas bem elaboradas e criativas, em que o sócio-cultural do aluno esteja inserido procurando resgatar valores perdidos.


            Família, escola e sociedade devem andar em parceria a favor de uma educação de qualidade e inclusiva, em que todos devem exercer sua cidadania. Aliado a isso, criar e educar uma criança é uma arte, o que nos faz refletir sobre como conduzi-la da melhor maneira para que ela consiga se integrar nos meios sociais de forma bem sucedida.

 

            Entretanto, ao final desta pesquisa, a nossa intenção não é de encerrar o assunto, mas de mostrar que existem desafios que podem ser superados, e que paulatinamente, os problemas encontrados no caminho da educação são solucionáveis com muito trabalho e dedicação, pois o tema abordado no ponto de vista conceitual necessita ser mais explorado, e na prática, necessita que os educadores, pais e a sociedade de um modo geral, unam-se em uma só força, para poder decifrar o enigma da complexidade que envolve “A família e a escola: questão da falta de limites na educação familiar gera indisciplina escolar”.


          Portanto, as exigências impostas pelas mudanças sociais são crescentes e desafiadoras, no entanto, precisa aliar a capacidade técnica a uma permanente renovação, e a um alto padrão de criatividade como elementos-chaves para poder enfrentar os desafios e ter êxito em seus ofícios. Por isso, a contribuição deste estudo é de reflexão, questionamentos e ampliação da discussão acerca do contexto, colocando em questão pontos que ainda não foram abordados e as experiências vividas através dos nossos estágios que foram de muita relevância para nossa formação acadêmica e sem dúvida irão complementar o nosso percurso profissional, pois tudo que assimilamos em nosso curso de pedagogia, servirão para serem aplicados em nossa prática pedagógica, a fim de contribuir na formação sociocultural e cognitiva de nossos educandos, tornando-os formadores de opiniões.



REFERÊNCIAS



ABDA - Associação Brasileira de Déficit de Atenção. Disponível em . Acesso em 10 janeiro. 2010.


A FAMILÍA & a Escola: a questão dos limites em xeque. Construindo e Aprendendo Natureza e Sociedade Manual do Professor-Educação Infantil: 5 anos, São Paulo: Editora Construir.


CAETANO, Maria Luciana. A difícil arte de educar. Psique Ciência & Vida Especial, São Paulo, n.2, Ano I, p. 52-57.


MUNHOZ, Maria Luiza Puglisi. Sem Limites. Psique Ciência & Vida Especial, São Paulo, n.2, Ano I, p. 34-37.


DE LA TAILLE, Yves. A Indisciplina e o sentimento de vergonha. In: Aquino, Julio Groppa (org). Indisciplina na escola: Alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1996.


DE LA TAILLE, Yves. Limites: três dimensões educacionais. 3. Ed. São Paulo: Ática, 2002.

TIBA, Içami. Disciplina – Limite na medida certa. São Paulo: Editora Gente, 1996. 8ª edição. 


TIBA, Içami. Conversas com Içami Tiba: Volume 2. São Paulo: Editora Integrare, 2008.

Fonte: http://diariode1educadora.blogspot.com.br/2011/05/familia-escola-questao-da-falta-de.html

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Marchinhas de Carnaval para baixar!

Então, preparados para pular o carnaval?? Ainda não? Então para facilitar, segue algumas marchinhas de carnaval pra você baixar e se divertir...

Beijoca da Profe Sheila



Link http://www.4shared.com/rar/lvEgUweB/Carnaval.html






Visite também Cantinho Educação e Amor





segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Início das aulas! Dinâmicas para se divertir com os pequeninos...

"O saber que não vem da experiência, não é realmente saber!" Vygostky

Então que tal proporcionar dinâmicas para interagir, ensinar e compartilhar momentos com nossos alunos? A volta às aulas é uma grande oportunidade para fazermos algo diferente para os pequeninos, com esse pensamento, segue algumas dinâmicas para fazermos em sala de aula... Lembrando também que o Cantinho também disponibiliza apostilas inteiras com dinâmicas para baixar!!!!! 

volta as aulas

Sugestões de Dinâmicas

- ÁRVORE das férias:

Representar uma árvore no papel pardo ou cartolina;

afixá-la no painel ou parede.

Em cima da árvore, escrever uma pergunta relacionada as férias

que será tratado durante a semana .

Ex.: Como foi...?Cada criança receberá uma "folha da árvore" para

escrever o que quiser ou desenhar o que lhe der vontade.

Depois, pedir para cada criança colocar sua folha na árvore

Obs: Esta atividade poderá ser retomada durante a semana para que

haja uma reflexão sobre o que eles queriam e o que conseguiram alcançar.

- DA CONFUSÃO À ORDEM

Estas atividades são ideais para que a criança perceba a necessidadeda

organização para o bom desempenho das atividades.

O professor pode,a partir da fala das crianças, levantar algumas regras

para aorganização em sala de aula.

Pedir para que as crianças, todas ao mesmo tempo, cantarem uma música

para o seu companheiro do lado (esta atividade gerará um caos); depois

pedir a um aluno que cante a música dela para a classe.

As crianças perceberão como o caos é desagradável e

como a ordem tem um sentido.

O professor poderá levantar com as crianças outras situações vividas

onde a organização é essencial.

- O LAGO DE LEITE

(Despertar no aluno o prazer do trabalho em conjunto e a importânciada

ação individual na contribuição com o todo.

O professor poderá falarum pouco sobre o trabalho na série,

para que as crianças entendam aimportância do envolvimento de todos

para a realização do mesmo).

Em um certo lugar no Oriente, um rei resolveu criar um lago

diferentepara as pessoas do seu povoado.

Ele quis criar um lago de leite, então pediu para que cada um dos

residentes do local levassem apenas 1 copode leite;

com a cooperação de todos, o lago seria preenchido.

O rei muito entusiasmado esperou até a manhã seguinte

para ver o seu lago deleite. Mas, tal foi sua surpresa

no outro dia, quando viu o lago cheio

de água e não de leite. Em seguida, o rei consultou o seu conselheiro

que o informou que as pessoas do povoado tiveram o mesmo pensamento:

"No meio de tantos copos de leite se só o meu for de água ninguém vainotar..."

Questionar com as crianças:

Que valor faltou para que a idéia do reise completasse?

Após a discussão é interessante que os alunos

construam algo juntos, como por exemplo:

o painel da sala. A sala podeser decorada com um recorte que,

depois de picotado, forma váriaspessoas de mãos dadas, como uma corrente.
TÉCNICA DO ABRAÇO
Participantes: Indeterminado (todos os que estiveremparticipando)
Frase: "Quanta coisa cabe em um abraço.
"Objetivos:
criar uma certa intimidade e aproximação com os colegas já que estão voltando de férias; •avaliar o sentimento de exclusão de quem está com o balão;
• sentir que precisa da colaboração do outro para não ser "atingido" pelo balão.
Observação:
ABRAÇO (do dicionário): demonstração de carinho, de amizade, acolhimento,
ligação, fusão, união.
ABRAÇAR: apertar com os braços, entrelaçar-se, ligar-se, unindo-se.
(Deixar claro a importância de um abraço a quem
precisa e entre o próprio grupo =UNIÃO).
OBS 2: levar bexigas e CD.Descrição:
Abraçar o colega encostando o peito e contando até três para trocar de "par".
Um participante fica de fora com um balão que deverá
encostar no peito de alguém"disponível" que assumirá o
seu lugar ficando com o balão.Para que não seja encostado o balão,
o abraço deverá ser forte e bem próximo e a troca de pares
deverá ser rápida.
EMPRESTANDO O LÁPIS
Objetivo:
Mostrar a importância da partilha e a união entre as crianças.
Participantes:
Todos os presentes no encontro
Material:
Lápis de cor e desenho impresso.
- Pedir para que as crianças tragam para o próximo encontro
um lápis de cor.Importante:
Cada criança deve trazer apenas um lápis.
Se a professoraver que a criança trouxe a caixa com
mais cores, pedir para que a criança escolha a cor que mais gosta.
- A professora deve trazer impresso em papel um desenho para as crianças colorirem.
O ideal é uma folha para cada criança.
Na folha deverá ter o mesmo desenho duas vezes.Descrição:
Distribui-se uma folha para cada criança, pedindo que elas pintem
apenas um desenho e com a lápis que trouxe.
O desenho vai ficar com uma tonalidade apenas.
Quando as crianças terminarem o primeiro desenho,
pede-se que inicie o segundo, mas agora elas não irão pintar
somente com as cores que elas trouxeram e sim que emprestem
o lápis do outro amigo para colorir o desenho,
assim cada criança irá emprestar o lápis de um amigo para
colorir e no final todos terão um trabalho colorido.
Conclusão:
O primeiro desenho ficou com uma cor uniforme,
com isso acabou ficando feio, esquisito.
Mas quando eles emprestaram o lápis do amiguinho,
o desenho ficou mais bonito, colorido.
Com isso deve-se mostrar a criança que elas precisam se
unir e se ajudarem mutuamente,explica-se que quantas
outras crianças pobres que não tem o que eles tem,
por exemplo, brinquedos, comidas etc. Sendo assim, diante
de nossas possibilidades, devemos dar um pouquinho daquilo que temos.


terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Dinâmicas de Natal

Esse fim de ano, as festas serão na minha casa! é uma forma de celebrar junto com a  família toda as bençãos recebidas e conquistadas durante o ano.
Fiquei pensando em como poderia celebrar de forma descontraída, alegre e celebrativa. Claro! Uma super GINCANA FAMILIAR...

Dentro das ideias tiradas pra fazer com a minha família, separei outras ainda à serem feitas em festas assim e gostaria de dividir com vocês antes do blog entrar em férias...

Você não perde nada em preparar algo especial pra viver com seus entes e amigos queridos! É hora de celebrar!

Vamos lá? Se divirtam...

Beijoca cheia de esperança de dias maravilhosos!!!

Profe Sheila


Pegue uma caixa de bombons e 12 envelopes, onde guardará algumas instruções. Pergunte quem quer começar a brincadeira e a primeira pessoa que se manifesta ganha a caixa e o envelope de número 1.
O primeiro envelope tem a seguinte mensagem: Parabéns! Você tem muita sorte, foi sorteado com este presente ele simboliza a confraternização, a amizade e a paz. Mas o presente não será seu. Observe a todos e entregue o presente para a pessoa que considera mais organizada. Oriente os convidados para que façam a leitura em voz alta.
Segundo envelope: A organização é algo de muito valioso, e você, como portador desta virtude, irá entregá-lo que achar mais feliz.
Terceiro envelope: Você é feliz! Construa sempre sua felicidade em bases sólidas. A felicidade não depende dos outros, mas de nós mesmos, mas o presente ainda não é seu, entregue-o a uma pessoa que achar meiga.
Quarto envelope: A meiguice é algo raro, e você a possui. Parabéns! Mas o presente ainda não é seu, pois você com esse jeito meigo, não vai se importar de o entregar à pessoa mais extrovertida.
Quinto envelope: Por teres esse jeito extrovertido, você foi escolhido para receber este presente, e agora, mostrando sua virtude, entregue-o a quem você achar mais inteligente.
Sexto envelope: A inteligência foi dada por Deus. Parabéns, por teres encontrado espaço para demonstrar seu talento, agora passe o presente para quem achares mais simpático.
DOWNLOAD Dinamica em PDF
Sétimo envelope:  Para comemorar, sorria, pois o mundo anda amargo e para melhorá-lo precisamos de pessoas como você, sorria, mas o presente ainda não é seu, passe-o para a pessoa que achar mais solidária.
Oitavo envelope: Solidariedade é uma virtude rara no mundo de egoísmo em que vivemos, mas o presente ainda não é seu, passe-o a pessoa que achar mais alegre.
Nono envelope: Alegria, pessoas como você transmitem alto astral, mas o presente ainda não é seu, passe-o a pessoa que achar mais criativa.
Décimo envelope: A criatividade é fundamental para inovar e dar brilho ao nosso mundo, mas o presente ainda não é seu, passe-o a pessoa mais trabalhadora.
Décimo primeiro envelope: Que orgulho ter essa virtude, mas o presente ainda não é seu, entregue-o para quem você ache que tramite PAZ.
Décimo segundo envelope: O mundo inteiro clama por paz e você, gratuitamente, transmite esta tão grande riqueza, parabéns, Com muita paz compartilhe com todos que aqui estão esses bombons e deseje-lhes muita paz, força e união.
Uma sugestão é sempre colocar o envelope vazio abaixo dos que estão para ler, assim as pessoas ficam perdidas de com quem ficará o presente. (autor desconhecido)



Brincadeira divertida para Amigo Secreto - Fotos de Bebês

Peça para todos os participantes da brincadeira trazerem fotografias que quando eram bebês. Na hora da revelação entregue um envelope para cada um, peça que coloquem suas fotos dentro dos envelopes e na aba que fecha o envelope, na parte de dentro, a pessoa deve escrever o nome do seu amigo secreto.
DOWNLOAD Dinamica em PDF
Depois recolha os envelopes e os disponha numa mesa todos com os nomes aparecendo. Instrua que cada um pegue o envelope com seu nome e veja a foto, tentando adivinhar quem lhe tirou.
Pode-se estabelecer um número de chances para errar e depois disso a pessoa poderia pagar algum mico.
Variação: Pode-se também pedir para as pessoas colocarem algo pessoal que estiverem usando na festa dentro do envelope.
É importante que ao escrever o nome no envelope tentem fazer com uma letra não muito óbvia ou então que peçam a alguém para escrever, evitando que a pessoa reconheça quem o tirou através da letra.


Você é uma Estrela - Dinâmica de revelação para Amigo Oculto

objetivo dessa dinamica de amigo secreto é integrar os participantes e oferecer uma brincadeira original para o dia da revelação do amigo secreto.
Material Necessário:
Estrelas com os nomes dos participantes; CD música clássica; Folhas sulfite; Canetas e lápis coloridos; Crachás
Procedimento:
a) Entregar aos participantes estrelas com o nome de outro participante, solicitando aos mesmos guardar sigilo quanto ao nome recebido e se for o próprio nome devolver ao instrutor e, tirar outro.
DOWNLOAD Dinamica em PDF
b) Colocar uma música clássica de fundo. Solicitar a todos que caminhem pela sala e observe disfarçadamente a pessoa cujo nome está com ele, continuar caminhando e pensando de que forma poderia representar a pessoa.
c) Solicitar para que todos desenhem como imagina ser a pessoa em questão, quanto a: - O que ela gosta de comer - Qual a cor preferida - Que presente você daria a esta pessoa
d) Os participantes apresentam a pessoa cujo nome está com ele. O apresentado se coloca no final, concordando ou discordando e argumentando os porquês.

Dinâmica de Natal. Objetivo: Proporcionar condições para reflexão e mudanças de comportamento, buscando a transformação para um mundo mais justo, mais responsável e mais humanizado e humanizante.
Autora da dinâmica: Rosaly Aparecida Curiacos de Almeida Leme - Piracicaba SP 

Material
: Cada participante deverá trazer algo que utiliza em seu cotidiano, para simbolicamente oferecer. Caso não seja possível trazer o original, poderá ser usado um desenho ou mesmo a palavra escrita representando o objeto. Serão necessários alguns metros de barbante para se fazer um círculo no chão, tomando a maior parte da sala.
Também será necessário um presépio ou uma imagem do menino Jesus na manjedoura.

Objetivo
Proporcionar condições para reflexão e mudanças de comportamento, buscando a transformação para um mundo mais justo, mais responsável e mais humanizado e humanizante.

Solicitação: Todos os participantes devem sentar em círculo. O animador pedirá para que todos pensem no que cada um pode oferecer individualmente e com o seu grupo ao Menino-Deus. Em seguida, deverá colocar o barbante no chão, formando um círculo, pedindo para que cada participante coloque dentro deste círculo o que irá ofertar. O animador perguntará o porquê desta oferta. Depois que todos responderem, cada um recolhe sua oferta e volta para o círculo inicial. Todos aplaudem.

Fechamento: O animador deve sugerir que seja discutido como todos podem introduzir tais idéias de transformação, oferecendo ao Menino-Deus este grupo renovado, como presente de Natal. Todos de mãos dadas em torno do presépio farão uma oração de entrega, poderão ler Lucas 2, 6-14 e cantarão uma música natalina, Noite Feliz, por exemplo.


BINGO

Cada um leva no dia da confraternização um brinde, tipo 1,99 que dê para homens, mulheres e/ou criança a exemplo de vasilhas de plástico, porta retratos, canecas comemorativas, pacote de bala ou bombom, algumas pessoas levam penca de banana embrulhadas ou abacaxi,coisas engraçadas. Comprar ou fazer as cartelas de bingo e distribuir para os participantes, use feijão ou milho para marcar, assim, todos se divertem e acabam ganhando alguma coisa.

DIREITA E ESQUERDA

Coloque todo pessoal em circulo.Entregue 4 presentes a 4 pessoas, uma longe do outra.Comece a ler um texto cuja estória contenha as palavras Direita e Esquerda.Toda vez que as palavra DIREITA for falada, os 4 presentes devem ser movidos para a direita .Se for a palavra ESQUERDA, os presentes passam para a pessoa à esquerda. Use bastante essas palavras-chaves para dar bastante movimento à essa dinâmica.No final da estória quem estiver segurando presente é o seu dono.

Variação: O presente 1, poderia ser uma coisa normal/legal;o presente 2 poderia ser bombons para compartilhar,o presente 3 seria doado para alguém do circulo ; e o presente 4, o dono dele deveria realizar uma tarefa (pagar mico)para que o presente fique com ele.

“Pessoal, eu gostaria de poder comprar presentes para cada um de vocês ,mas não foi possível(a grana tava curta,etc…).Então comprei esses 4(ou 5,6,…) presentes para alguns de vocês. Só que não vou escolher para quem dar. Vou fazer uma brincadeira para decidir com quem cada presente vai ficar.Por favor formem um circulo.Vou ler um texto…”
Você pode aproveitar esse momento do círculo para fazer uma oração e os votos de feliz natal, se assim todos desejarem...
Uma menina vivia muito triste,ninguém sabia o motivo.um certo dia perguntam-lhe o que havia com ela.ela então respondeu:
- Sou triste por que não conheço deus,não conheço sua historia, essa certa pessoa lhe falou:
- Não fique triste eu lhe indicarei um caminho onde encurtarás alguém que saberá te dizer a história,e quando lá chegar entre na porta 1°direita no final o caminho é o seguinte: na pista da esquerda à um bairro você devera entrar na rua da esquerda depois segue pela direita ,direita de novo e quando avista uma casa amarela entre na porta da esquerda.e encontrarás uma igreja pare e peça mais informações a menina conseguiu achar o caminho quando lá chegou viu um padre e falou -lhe sobre sua historia triste.o padre ajudou ela a continuar o caminho aqui na igreja a uma sala a esquerda entre lá.depois escolha uma das portas tem 3 esquerdas e 4 direitas escolha apenas uma.
A menina pensou bem,e lembrou do que aquela certa pessoa tinha lhe falado,e entrou a 1°da direita,lá achou aquela certa pessoa,como ela estava curiosa para saber quem era porque a pessoa não se apresentou no começo perguntou:
- Quem é você?
A pessoa respondeu:sou a salvação do mundo a menina entendeu a resposta e se pós a chorar,falando que era seu maior sonho conhecê-lo. Deus então lhe disse: não posso te levar comigo,mas lembre entre sempre na porta direita.”



BARRA PREMIADA

Cada pessoa deve levar 5 reais e uma barra de chocolate. Coloque as barras na mesa e o dinheiro no pote.Outro pote coloque os nomes das pessoas que participaram. Escolhe alguém para começar a brincadeira essa pessoa pega um nome do pote e lê esse nome deve pegar uma barra de chocolate e já perdeu a chance de ganhar o dinheiro e ele tira outro nome e assim continua mais o último nome leva todo dinheiro e a barra de chocolate que sobrou.
Você pode selecionar cinco colares com anjinhos de natal para pessoas q não estavam participando da brincadeira e coloquei os seus nomes junto com os dos participantes, daí,quando o nome do anjo era sorteado esse anjo tinha o poder de resgatar alguém que já tinha perdido a chance de ganhar o dinheiro e o coloca novamente no copinho de sorteio.


BOMBONS DA PAZ

Você diz que só tinha dinheiro para comprar um presente por isso você sorteou 1 pessoa para recebê-lo. A pessoa sorteada deverá ler em voz alta a mensagem colada sobre a caixa antes de abri-la.a mensagem é:”Parabéns! Você tem muita sorte, foi sorteado com este presente .Ele simboliza a confraternização, a amizade e a paz. Mas o presente não será seu.Você deverá entregá-lo para a pessoa que você considera mais organizada aqui presente.” A cada pessoa que recebe o presente, você entrega uma mensagem para ela ler de acordo com a característica pedida.Próxima mensagem: “Parabéns,você”
Parabéns! Você tem muita sorte, foi sorteado com este presente ele simboliza a confraternização, a amizade e a paz. Mas o presente não será seu.
(Observe a todos e entregue o presente para a pessoa que considera mais organizada).
A organização é algo de muito valioso, e você, como portador desta virtude, irá entregá-lo que achar mais feliz.
Você é feliz! Construa sempre sua felicidade em bases sólidas. A felicidade não depende dos outros, mas de nós mesmos, mas o presente ainda não é seu, entregue-o a uma pessoa que achar meiga.
A meiguice é algo raro, e você a possui. Parabéns! Mas o presente ainda não é seu, pois você com esse jeito meigo, não vai se importar de o entregar à pessoa mais extrovertida.
Por teres esse jeito extrovertido, você foi escolhido para receber este presente, e agora, mostrando sua virtude, entregue-o a quem você achar mais inteligente.
A inteligência foi dada por Deus. Parabéns, por teres encontrado espaço para demonstrar seu talento, agora passe o presente para quem achares mais simpático.
Para comemorar, sorria, pois o mundo anda amargo e para melhorá-lo precisamos de pessoas como você, sorria, mas o presente ainda não é seu, passe-o para a pessoa que achar mais solidária.
Solidariedade é uma virtude rara no mundo de egoísmo em que vivemos, mas o presente ainda não é seu, passe-o a pessoa que achar mais alegre.
Alegria, pessoas como você transmitem alto astral, mas o presente ainda não é seu, passe-o a pessoa que achar mais criativa.
A criatividade é fundamental para inovar e dar brilho ao nosso mundo, mas o presente ainda não é seu, passe-o a pessoa mais trabalhadora.
Que orgulho ter essa virtude, mas o presente ainda não é seu, entregue-o para quem você ache que tramite PAZ.
O mundo inteiro clama por paz e você, gratuitamente, transmite esta tão grande riqueza, parabéns. Com muita paz, abra o presente e diga o que está escrito na embalagem (A pessoa terá de dizer “BOMBONS DA PAZ”) Agora prove que você transmite paz e compartilhe com todos que aqui estão e deseje-lhes muita paz, força e união.

TUNEL DO TEMPO

Na hora da festa entregue um envelope grande a cada participantes pedindo para que coloquem na “orelha” de dentro do envelope o nome da pessoa a qual eles haviam tirado de amigo secreto juntamente com sua foto dos tempos de criança. Escolha alguém para iniciar a brincadeira, esta pessoa vai até a mesa e pega o envelope que estava escrito seu nome, abriu o envelope, pegou a foto e tentou adivinhar de quem se tratava, ou seja, quem havia lhe tirado. Vocês pode estabelecer um número de chances para erros e pedir a pessoa para fazer alguma coisa caso erre (pagar mico). OBS: Também podem pedir para as pessoas colocarem algo pessoal que estiverem usando na festa dentro do envelope. È importante que ao escrever o nome no envelope tentem fazer com uma letra não muito óbvia ou então que peçam a alguém para escrever, evitando que a pessoa reconheça quem o tirou através da letra

AMIGO DA ONÇA

Todos os presentes dos participantes ficarão em uma mesa. Será distribuído papeis com numeração de 1 ao nº de participantes. O nº1 vai na mesa escolhe um presente da mesa e sai. O nº dois escolhe um presente, se não gostar tem direito de trocar com o do nº um, o nº três vai escolhe um presente e se não gostar pode trocar ou com o do nº um ou com o do nº dois e segue. Para alegrar no meio dos presentes agente pode colocar um presente de “Kit limpeza”(Bombril,sabão,esponja,detergente…) ou outro sem graça; a pessoa que ganha este presente fica chateado, e mais chateado ainda a pessoa que ele trocar, mas no final o Kit será trocado por o real presente que deve está escondido.

CAIXINHA DE SURPRESAS

1. Prepara-se uma caixinha com tarefas engraçadas, fechando-a bem. Escolha tarefas como: imitar um gato pular como um sapo, imitar um macaco, pular numa perna só, etc…
2. Colocam-se os participantes do grupo sentados em círculo.
3. A caixinha deverá circular de mão em mão até num sinal dado, ou ao som de uma música, que pare subitamente.
4. Aquele que estiver com a caixinha no momento em que é dado o sinal, ou em que a música para, deverá tirar da caixinha um papel e executar a tarefa prescrita.
5. A brincadeira continua enquanto houver papeletas na caixinha

PRESENTE ESPECIAL

Pega uma caixa de sapato, enfeita bem bonita e coloca um espelho dentro. Aí, você diz q comprou um presente muito lindo, q acha q todo mundo vai gostar, mas ainda não decidiu pra quem vai dar. Então pergunta quem gostaria de olhar o presente para constatar se realmente é bonito. Todos q olharem verão sua imagem refletida e então vão realmente julgar q o presente é lindo, e aqueles q não viram ficarão curiosos. A graça é pedir para aqueles q virão não comentar como os demais… Bom, se tiver alguém desinteressado pelo presente, este deverá ficar como o mesmo… ressaltando q esta pessoa talvez não goste… depois a surpresa


MIMICA

Dividimos os convidados em 2 ou 3 grupos… pegamos 1 pessoa de cada grupo para fazer as mímicas (sempre pego frases de ditados populares…Ex:cada macaco no seu galho. Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher… etc ) cada grupo pega 6 ditados (só a pessoa que faz a mímica e o grupo contra ele q pode ver a frase) … e pra ficar mais empolgante colocamos um tempo de 45 segundos… no final o grupo q mais acertar cada participante ganha um presente.


PAINEL DOS DESEJOS

Façam um painel de envelopes com o nome de cada pessoal presente. Durante a festa entregue cartõezinhos e canetas para os convidados assim eles poderão colocar os bilhetes nos envelopes de seus amigos anonimamente ou nao, e no final cada um leva seu envelope pra casa. Ao invés de envelopes estou pensando em comprar um gorro de papai noel ou botinha de natal pra cada e pendurar na parede.


DUPLA PREMIADA

Elabore cartões pequenos (a figura da capa era uma árvore de natal) e abrindo havia uma frase. Ex: “Não sabendo que era impossível, foi lá e fez”. Sempre 2 cartões com a mesma frase. Quando cada convidado chegava, recebia 1 cartão e pedíamos que o guardasse para uma surpresa durante a festa. No meio do tempo estimado para a festa, alguém da equipe organizadora fazia a seguinte comunicação: Feliz Natal a todos! Agora uma surpresa: Temos vários presentes para entregar. Para ganhá-los, cada um de vocês precisa encontrar o colega que está com o cartão com a mesma frase. Os primeiros presentes são os melhores, portanto, apressem-se e aproveitem para confraternizar! Boa sorte! As duplas devem se apresentar aqui em frente (uma pessoa deverá ficar responsável por organizar a entrega dos presentes para as duplas).


QUEM COMPROU, JÁ ME DEU.

O dono da casa começa escolhendo qualquer presente da árvore, e diz “Esse presente é meu e foi FULANO quem comprou!”. A pessoa que comprou o presente deverá dizer SIM ou NÃO. Se for SIM, o ganhador abre o presente, se for NÃO ele simplesmente o devolve para a árvore, e pode pagar um mico escolhido por quem comprou o presente. Em ambos os casos, quem comprou o presente é o próximo a escolher um presente da árvore, e assim vai até o final…. é muito distribui a dinâmica impressa no papel dobrado para cada participante, pedi que não abrissem até eu começar a brincadeira. Expliquei que todas as perguntas eu fizesse seriam respondidas cantadas. E assim foi uma delícia. Segue abaixo


RESPOSTAS CANTADAS

1 – Se você fosse uma celebridade e lhe perguntasse, quando você nasceu?
Eu nasci há dez mil anos atrás, e Não tem nada nesse mundo que eu Não saiba demais
2- Na família onde você cresceu, você fez muitos amigos. Quantos amigos você deseja ter?
Eu quero ter um milhão de amigos e bem mais forte poder cantar. (bis)
3- Nos momentos de aflição, a quem você recorre?
Jesus Cristo, Jesus Cristo, Jesus Cristo eu estou aqui. (bis)
4- Em que lugar mesmo fica a sua casa?
A minha casa fica lá de trás do mundo, onde eu vou em um segundo, quando começo a pensar. E o pensamento parece uma uma coisa à toa, mas como é que a gente voa, quando começa a pensar.
5- Qual a sua música preferida para espantar a saudade?
Tristeza, por favor vá embora, minha alma que chora, está vendo o meu fim. É o meu coração a tua moradia. Já é de mais o meu penar. Quero voltar a minha vida de alegria, quero de novo cantar. (bis)
6- O que você faz para espantar as mágoas?
Garçom, aqui nessa mesa de bar, você já cansou de escutar centenas de casos de amor, saiba que o meu grande amor hoje vai se casar. Mandou uma carta pra me avisar, deixou em pedaços o meu coração…
7- Quando criança como sonhava com o futuro?
Os sonhos mais lindos sonhei, de quimeras mil, um castelo ergui e no seu olhar, tonto de emoção, com sofreguidão mil venturas vivi.
8- Qual o segredo para você se manter sempre jovem?
É o amor, que mexe com minha cabeça e me deixa assim. Que faz eu pensar em você, esquecer de mim. Que faz eu entender que a vida é feita pra viver.
9- Onde você mora?
Moro, num país tropical, abençoado por Deus, e bonito por natureza. É fevereiro, é fevereiro, tem carnaval, tem carnaval.
10- Nos tempos de mocidade como aconteceu seu primeiro amor?
Meu primeiro amor, foi como uma flor que desabrochou e logo morreu. Meu primeiro amor, tão cedo acabou, só com a dor deixou neste peito meu. Nesta solidão, sem ter alegria, o que me alivia, são meus tristes ás.
11- Qual tipo de festa você gosta de promover na sua família?
Festa na roça é pra de lá bom, o sanfoneiro é que comanda o som. A gente dança à moda sertaneja, tomando cerveja e comendo batom.
12- Como você termina um dia de trabalho e realizações?
Por isso eu digo, obrigado Senhor por mais um dia, obrigado Senhor, por eu saber. Que seria de mim, se a fé que eu tenho em você.(bis)
13- Estamos reunidos aqui para festejar o quê?
Então é Natal, e o que você fez?
O ano termina, e nasce outra vez.
Então é Natal, a festa Cristã.
Do velho e do novo, do amor como um todo.
Então bom Natal, e um ano novo também.
Que seja feliz quem, souber o que é o bem.
14- Mais um ano se passou e mais uma vez estamos juntos e o que poderemos dizer para terminarmos esta festa?
Hoje, é um novo dia de um novo tempo que começou
Nesses novos dias, mais alegrias serão de todos é só querer
Todos os nossos sonhos serão verdade, o futuro já começou
Hoje a festa é sua, hoje a festa é nossa, é de quem quiser, quem vier
A festa é sua, hoje a festa é nossa, é de quem quiser, quem vier
Hoje, é um novo dia de um novo tempo que começou
Nesses novos dias, mais alegrias serão de todos é só querer
Todos os nossos sonhos serão verdade, o futuro já começou
Hoje a festa é sua, hoje a festa é nossa, é de quem quiser, quem vier
A festa é sua, hoje a festa é nossa, é de quem quiser, quem vier
Hoje a festa é sua, hoje a festa é nossa, é de quem quiser, quem vier
A festa é sua, hoje a festa é nossa, é de quem quiser, quem vier
(Bis)


BATATA QUENTE

Material:

Caixa de sapato
kits alegria (aqueles dados em festas tipo oculos engraçados, perucas, gravatas, mascaras, fantasias, Poá, etc..)
Presentinhos (algo de 1,99, balas, chocolates, livros que já leu, etc)
Cartões com Micos (escrever um mico em cada cartão)
1 Cueca E 1 Sutiã bem grandes e coloridos se possível
1 cartão com a palavra ladrão
1 cartão com a palavra policia
Musica

Como brincar?

A pessoa que está organizando coloca um dos itens na caixa de sapato e entrega a um participante e coloca uma musica… os participantes devem ir passando a caixa de mão em mão até o organizador parar a musica. aquele que estiver com a caixa, abre a caixa, se tiver presente ele fica com ele, se tiver um mico ele tem que pagar, se tiver o kit alegria ou a cueca e o sutiã ela tem que usar por cima da roupa, se tiver a palavra ladrão ele rouba o presente que alguém já ganhou na roda e a policia pega o presente que o ladrão roubou e devolve pra pessoa que tinha ganhado.
O ideal é que o ladrão seja colocado depois q todos os presentes ja tiverem sido distribuídos, e a policia logo depois… pq ai a pessoa vai achar q levou vantagem e logo em seguida perderá o gostinho do presente.
Depois que acabar, junte todos os fantasiados e tire uma foto… rende boas risadas!
CUIDADO: o total de itens deve ser menor que o numero de pessoas na roda e tem que se tomar cuidado pra não ficar cansativo… você também pode fazer com que as pessoas que ja ganharam presentes saiam da roda… pois aconteceu na minha dinâmica da mesma pessoa ficar com 2 presentes e uma fantasia, ai é sacanagem…
A COR DO ABRAÇO

Entregue a todos os participantes papeizinhos escrito BRANCO. Explique que vai falar diversas cores e quem tiver as cor levante e de um abraço no colega que tema mesma cor .Como os papeis todos estão escrito apenas Branco e os participantes não o sabem, ficam esperando dizer a cor que esta em seu papel.E o orientador vai falando diversas cores tipo: amarelo, azul escuro, vermelho, rosa vibrante e nada de ninguém levantar…ate que o orientador fala BRANCO…..gente é impresionante o pulo que todos dão da cadeira e ai todos se abraçam e deseja-se um Natal de Paz. Ja fiz em grupos diversos e sempre adoram


CAÇA AO TESOURO

Esconda vários bis brancos e a mesma quantia de bis preto. divide em 2 grupos, um grupo tem que achar os bis brancos e o outro grupo os bis pretos, detalhe.. se o grupo do bis branco achar bis preto, eles comem, assim o outro grupo vai ter menos bis para achar, e vice versa. O grupo de achar ais bis da sua cor é o vencedor. Como premio pode ser dado caixas de bombom para dividir entre eles. É muito divertido !!!


AMIGO SECRETO DOS SEXOS…

O amigo secreto dos sexos começa dividindo o pessoal da família em homens e mulheres, quantidades correspondentes as pessoas participantes. Cada um pega um papel que estará escrito homem ou mulher e deverá comprar um presente para o sexo que pegar (sem saber na verdade quem pegará) Na hora de revelar o amigo secreto dividi-se os presentes em presentes p/ homens e presentes p/ mulheres, a primeira pessoa começa pegando um papel agora com nome das pessoas. Por exemplo eu pego o meu pai, vou na mesa que estão os presentes de homens, escolho um presente e revelo o meu amigo secreto, se peguei a minha mãe pego um presente da mesa das mulheres. Ou seja na verdade ninguém sabe quem pegará e até se dará o presente que comprou. Seria estipulado um valor p/ compra do presente, não uma quantia muito alta.

6 OU 1

Embrulhe presentes baratos e sem graça e também alguns legais. O primeiro embrulho deve ser bonito, mas em volta deste, embrulhe com jornal, amarre também com barbante, etc. O importante é dificultar a abertura do presente. O presente da vez deve ser entregue para a primeira pessoa da roda. Para a pessoa seguinte são entregues 2 (ou apenas 1) dados. Se esta pessoa tirar 6 ou 1 no dado, tem o direito de pegar o presente da mão da pessoa anterior e continuar a desembrulhá-lo. Caso tire outro número qualquer, ela passa os dados para a pessoa seguinte. Fica com o presente quem conseguir desembrulhá-lo até o final. Ou seja…o presente vai passando apenas pelas pessoas da roda que tirarem 6 ou 1. O legal é o desespero da pessoa tentando desembrulhar rápido, antes que alguma outra pessoa tire 6 ou 1. Mas vale deixar bem claras as regras da brincadeira … do tipo: não pode sair rasgando o papel do embrulho (tem que abrir direitinho..) etc.
BRINCADEIRA DO BALÃO.

Entrega-se para cada participante um pedaço de papel, uma caneta e um balão. Então, pede-se para que cada pessoa escreva uma mensagem única, algo que estiver na mente, qualquer coisa, desde um FELIZ NATAL! até um NÃO SEJA TÃO PESSIMISTA, QUE ESTE ANO VOCÊ SE RENOVE! Qualquer coisa, depende da criatividade de cada um. Então pede-se para que as pessoas coloquem seu papel com sua mensagem dentro do balão e o encha de ar e dê um nó. Quando todos estiverem prontos, mande todos jogarem seus balões para cima, bem longe. Então, cada um deve tentar pegar outro balão, estourá-lo e ler a mensagem que encontra-se dentro em voz alta.


BRINCADEIRA DO PORQUINHO

Em circulo entrega-se um porquinho (pelúcia, barro, etc) cada um ira beijar em uma parte do corpo do porquinho e passar para o outro ao lado e sucessivamente, não pode beijar na mesma parte que outros beijaram. Sejam criativos (orelha, olho, boca, rabo, barriga etc). Quando todos fizeram isso o animador diz que agora cada um ira beijar o amigo da direita no mesmo lugar que beijou o porquinho!